ABDOMINOPLASTIA

A abdominoplastia é uma técnica cirúrgica na qual o excesso de pele e gordura do abdome são removidos, realizando-se concomitantemente a aproximação dos músculos abdominais, que habitualmente encontram-se afastados. 

Dessa maneira conseguimos uma melhora da silhueta, com uma cintura mais delicada e bem torneada. Essa cirurgia plástica por si só não constitui um tratamento para estrias, porém se essas estiverem localizadas na porção inferior do abdome, serão removidas.

As famosas “barriguinhas” tem que ser avaliadas com critério. Algumas podem ser tratadas somente com lipoaspiração e outras com lipoaspiração e uma mini abdominoplastia.

A cicatriz cirúrgica fica posicionada na parte inferior do abdome, tendo-se sempre por intuito posicioná-la na região onde o biquíni ou a roupa íntima possa cobri-la.

A cirurgia também pode ser realizada em homens.
É uma técnica capaz de corrigir o excesso de pele abdominal, os excessos de gordura que provocam a "barriguinha", a fraqueza dos músculos abdominais e a presença de estrias abdominais. Pode dar um aspecto mais acinturado do tronco, aumentando a sensualidade feminina. Pode ser realizada no homem , retirando a "barriga".

Os resultados são muito bons, mas um problema tem que ser considerado, que é a presença de uma cicatriz, que discutiremos com mais detalhe abaixo.

Nesse texto, procuraremos passar com clareza todas as questões envolvidas no tipo de procedimento, para que o candidato à cirurgia tenha segurança no que irá realizar. Entretanto, essas informações não substituem a consulta médica clássica que deve ser o início de qualquer tratamento médico, por doença ou por estética. Por outro lado, colocamos com clareza todas as vantagens e riscos envolvidos com o procedimento. A noção do que seja risco é importante. Ter risco, não significa que um problema vai ocorrer, e sim que pode ocorrer em um pequeno número de situações, que com cuidado e atenção do médico e do paciente pode ser diminuído a números muito baixos. Ter essa noção exata controla emoções e mitos dando segurança no ato médico, para o paciente e para o cirurgião. Entretanto, o conhecimento de todos os envolvimentos de cada ato cirúrgico, não deve trazer medo e sim segurança no que vai ser feito. As informações que oferecemos aqui ajudam a compreender as generalidades do procedimento, mas repetimos, não substitui uma consulta clássica, que deve ser feita com o Cirurgião Plástico, que confirmará a indicação e dará perspectivas do resultado. Muito destes resultados dependem do encontrado em cada paciente e uma expectativa realista é o melhor a se obter nestes tratamentos estéticos.
As melhores indicações para a Abdominoplastia ou Dermolipectomia
Os melhores candidatos para abdominoplastia ou dermolipectomia são homens ou mulheres que estão em boa forma física, que já corrigiram o excesso de peso e tem bons hábitos alimentares e praticam exercícios rotineiros.

Para alguns pacientes, homens ou mulheres, a perda da gordura abdominal, quando grande, resulta em uma pele flácida no abdome, que não vai ser corrigida com os exercícios e nem com a dieta. Especificamente nas mulheres, depois das gestações, o aumento do abdome pelo útero gravídico resulta em flacidez da pele, na presença de estrias e algumas vezes no afastamento dos músculos abdominais, o que vai apresentar um aspecto frouxo e inestético. Para esses casos apenas exercícios, correção alimentar ou medidas de medicina estética, como a aplicação de lipolíticos, ou mesmo a lipoaspiração não serão capazes de corrigir o problema. Neste ponto é que a cirurgia de abdominoplastia se apresenta e tem sua melhor indicação.

Os pacientes que ainda não atingiram o peso ideal devem adiar a cirurgia, assim como as mulheres que pretendem ter novas gestações. Cirurgia abdominais anteriores podem dificultar a cirurgia, por causa das cicatrizes que já estão presentes e por aderências e modificações dos tecidos locais e do formato depois da correção.

A cicatriz de cesariana, transversa não contra-indica o procedimento, podendo ser utilizada como base para a cicatriz da abdominoplastia.

A abdominoplastia ou dermolipectomia não vai devolver completamente a sua harmonia corporal, embora possa melhorar muito a aparência e a silhueta. Entretanto outras medidas de medicina estética e eventuais cirurgias podem ser necessárias para um resultado melhor. Alinhar as expectativas do paciente com a realidade do que a medicina pode oferecer é importante ação que o cirurgião plástico e a clínica devem ter.
Cicatriz - Riscos da abdominoplastia ou dermolipectomia
O grande problema da abdominoplastia ou dermolipectomia é a cicatriz. Essa cicatriz pode ser minimizada, utilizando a cicatriz anterior de uma cesariana, se existir, ou realizando as mini-abdominoplastia, que retira menor quantidade de pele e produz cicatrizes menores, mas não podem ser utilizadas em todos os casos.

O custo-benefício desta cirurgia pode ser considerado em relação aos bons resultados obtidos versus a cicatriz que provoca. As técnicas de cirurgia plástica minimizam a cicatriz, deixando em uma parte que pode ser coberta pelo biquíni, ou parcialmente disfarçada por pelos pubianos. Mas a presença de uma cicatriz de maior ou menor extensão faz parte desta técnica.

Esta cirurgia é realizada aos milhares em todo o mundo, e bons resultados devem ser esperados. Entretanto alguns riscos devem ser considerados.

Complicações pos-operatórias como infecção e trombo embolias são raras, mas podem ocorrer. A infecção, se ocorrer, pode ser tratada com drenagem e antibióticos, mas prolongará o tempo de hospitalização.

Para reduzir o risco de tromboembolismo é necessária uma consulta com o cirurgião especializado em cirurgia vascular, que vai avaliar o risco embólico associado ao procedimento e propor medidas preventivas. A Contour Miura possui cirurgião especializado na área vascular que fará esse atendimento.

A cicatriz pode se tornar pigmentada ou ocorrer quelóides em pacientes predispostos.

Parar de fumar um tempo antes do procedimento minimiza riscos de complicações pulmonares de pele no ato cirúrgico.

Para diminuir riscos, a orientação do cirurgião deve ser seguida rigorosamente antes e depois do procedimento.
Planejar a cirurgia de abdominoplastia
A consulta inicial com o cirurgião plástico é muito importante. O cirurgião ouvirá sua história médica completa, então avaliará seu caso tanto do ponto de vista da cirurgia proposta, como do ponto de vista clínico. 

Solicita então avaliações de especialistas como cardiologista, anestesista e outros clínicos se necessário, e complementa tudo com exames laboratoriais. Assim estará pronto para proporcionar todas as informações que você precisa sobre resultados esperados e riscos envolvidos com o procedimento de abdominoplastia. Não deixe de informar ao cirurgião se tem qualquer alergia; se toma vitaminas, medicamentos (mesmo os mais simples), se utiliza álcool ou outras drogas, e se fuma. No período que antecede a cirurgia plástica, não deixe de informar o cirurgião se tomou algum medicamento, mesmo os mais simples, como a aspirina e antiinflamatórios. A aspirina, como exemplo, pode alterar a coagulação sanguínea por períodos de até 11 dias seguindo-se a tomada de um único comprimido.

O cirurgião avaliará sua pele, os depósitos de gordura, as estrias e a musculatura abdominal e assim decidirá sobre a melhor técnica para seu caso.

Você e o cirurgião vão discutir cuidadosamente suas metas e expectativas para a cirurgia. Uma expectativa realista é importante e com franqueza se procurará ajustar as expectativas à realidade dos recursos oferecidos pela medicina. Conversar-se-á se a pele assim como a gordura será removida, e o afastamento dos músculos abdominais corrigidos e se lipoaspiração será feita em alguma outra área e se quaisquer procedimentos adicionais serão apropriados.

O cirurgião explicará as técnicas e anestesia que usará, e o tipo de local onde a cirurgia será executada. Assim como os riscos envolvidos. Os honorários do cirurgião, do anestesista e auxiliares se necessários, e os custos do hospital serão fornecidos. Utilizamos valores fechados, assim você terá a confiança de que vai despender de um valor exato, que lhe seja possível.

Seja franco em discutir suas expectativas com o cirurgião. Ele deve ser igualmente franco com você, descrever suas alternativas e limitações e os riscos de cada uma.

Se os depósitos de gordura são limitados à área embaixo do umbigo, pode ser realizada uma mini abdominoplastia, de recuperação muito mais rápida, com menores riscos e menores cicatrizes. Pode, por outro lado, ser benéfico uma Miniabdominoplastia, ou uma Abdominoplastia completa associada à lipoaspiração, em regiões do flanco ou nos culotes.

De toda a forma o cirurgião só decidirá o procedimento quando a examinar e avaliar riscos e expectativas. O cirurgião não deve seja escolhido apenas por questões que envolvem preços ou facilidades de pagamentos, mas principalmente por confiança que deve ser mútua, do paciente para o médico e do médico para o paciente. Um ato médico não deve ser tratado como uma mercadoria comum. Conhecer o cirurgião em uma consulta cuidadosa é muito importante para os bons resultados. O planejamento da cirurgia só pode ser feito após esta consulta inicial.

O resultado da Dermolipectomia poderá ser preservado se houver uma nova gestação, desde que nesta nova gestação seu peso seja controlado pelo médico do pré-natal. Aconselhamos, entretanto, que tenha todos os filhos programados antes de se submeter a uma Dermolipectomia abdominal. 

Preparação para a abdominoplastia - dermolipectomia
O cirurgião lhe dará instruções específicas em como se preparar para cirurgia, que incluem orientações em relação à alimentação, bebidas, fumo, e evitar certas vitaminas e medicamentos e manter o uso de outras. Siga cuidadosamente as instruções que ajudarão sua cirurgia a correr perfeitamente.

Você deve solicitar que alguém o acompanhe no dia da cirurgia e deve se preparar para afastar das atividades pelo número de dias que o cirurgião lhe informará.

Se você fuma, deve evitar o hábito pelo menos 2 a 3 semanas antes do procedimento. E só voltar depois de 2 a 3 semanas (quem sabe se neste momento em que você cuida de sua auto-estima, não realiza este ato de amor extremado por si mesmo e pelos outros em sua volta, que é parar definitivamente de fumar).

Evite exposição solar intensa antes de cirurgia, especialmente no abdomen;

Mantenha uma dieta equilibrada com muitas fibras no período que antecede a cirurgia;

Infecções, como gripe e resfriados adiam a cirurgia;

Os dias necessários para o afastamento devem ser considerados após a consulta médica, o número de dias dependerá do procedimento.
Preparação para a abdominoplastia - dermolipectomia
O cirurgião lhe dará instruções específicas em como se preparar para cirurgia, que incluem orientações em relação à alimentação, bebidas, fumo, e evitar certas vitaminas e medicamentos e manter o uso de outras. Siga cuidadosamente as instruções que ajudarão sua cirurgia a correr perfeitamente.

Você deve solicitar que alguém o acompanhe no dia da cirurgia e deve se preparar para afastar das atividades pelo número de dias que o cirurgião lhe informará.

Se você fuma, deve evitar o hábito pelo menos 2 a 3 semanas antes do procedimento. E só voltar depois de 2 a 3 semanas (quem sabe se neste momento em que você cuida de sua auto-estima, não realiza este ato de amor extremado por si mesmo e pelos outros em sua volta, que é parar definitivamente de fumar).

Evite exposição solar intensa antes de cirurgia, especialmente no abdomen;

Mantenha uma dieta equilibrada com muitas fibras no período que antecede a cirurgia;

Infecções, como gripe e resfriados adiam a cirurgia;

Os dias necessários para o afastamento devem ser considerados após a consulta médica, o número de dias dependerá do procedimento.
A Cirurgia de Abdominoplastia
Abdominoplastia ou Dermolipectomia completa normalmente leva de duas a cinco horas, dependendo da extensão. Mini-abdominoplastia ou mini-dermolipectomia parcial pode levar de uma a duas horas.

Normalmente o cirurgião faz duas incisões longas, elípticas uma inferior acima do púbis e outra superior, que se encontram em um vértice na extremidade lateral. Estas incisões é que determinarão a pele a ser retirada. A cicatriz umbilical se estiver incluída na pele a ser retirada, é circundada e mantida no local. Posteriormente será reimplantada no trecho de pele que permanecerá. Na Miniabdominoplastia ou Minidermolipectomia a incisão é muito menor e o umbigo não precisa ser movido, embora possa ser um pouco alterado quando a pele é esticada.

Com a incisão ampla, o cirurgião tem acesso aos músculos abdominais, que se estiverem afastados, são aproximados com suturas próprias, deixando a parede abdominal mais firme.

A pele excessiva é removida. O umbigo é reimplantado em seu lugar. Finalmente, as incisões serão suturadas com técnicas de cirurgia plástica. Dependendo da extensão da cirurgia, poderá haver a produção de edema que precisa ser retirado. A opcional colocação de drenos, que logo poderão ser retirados, deve ser considerada pelo cirurgião para alguns casos.

O seu próprio umbigo será transplantado e, se necessário, remodelado. Deve-se levar em conta que, circundando o umbigo existirá uma cicatriz que sofrerá a mesma evolução da cicatriz inferior. Várias técnicas existem para a reimplantação do umbigo. Todas elas são passíveis de futuras revisões cirúrgicas, caso venha a ser necessário. Isto acontece em decorrência da anomalia na evolução cicatricial de certas pacientes, e é passível de correção, mediante uma pequena cirurgia sob anestesia local, após alguns meses.

Na Miniabdominoplastia ou Minidermolipectomia, a pele é separada só entre a linha de incisão e o umbigo. Esta aba de pele é esticada para baixo, o excesso é removido, e a aba é suturada em seu lugar.

Depois da Cirurgia 
Nos primeiros dias, o abdome estará provavelmente inchado e se pode sentir alguma dor e incômodo que pode ser controlado por medicamento.

Dependendo da extensão da cirurgia, você pode receber alta de imediato, dentro de algumas horas ou pode ter que permanecer hospitalizado até por um a dois dias.

O cirurgião lhe dará instruções para o banho. E embora você possa não ser capaz de ficar ereto a princípio, você deve começar andar tão logo quanto possível.

Uma cinta elástica pode ser utilizada por um período variável dependendo de cada caso.
Recomendações Pré-operatórias para a Abdominoplastia - Dermolipectomia
1. Compareça ao hospital no dia e hora marcados com seu cirurgião; 

2. Qualquer anormalidade que porventura ocorra em seu estado de saúde deve ser comunicada, mesmo as mais simples, como gripes, infecções, infecções de pele na área em que será realizada a cirurgia, etc. O período menstrual também deve ser comunicado porque vai adiar a cirurgia. Marcar a cirurgia longe do período menstrual vai evitar que a cirurgia seja suspensa se houver o adiantamento; 

3. Evite bebidas alcoólicas ou refeições muito exageradas nas vésperas da cirurgia; 

4. Obedeça a orientação de jejum dada pelo seu medico; 

5. Medicamentos para emagrecer devem ser suspensos no mínimo 10 dias antes, comunique seu cirurgião e anestesista quais são, e converse com o clínico que os prescreveu sobre a suspensão; 

6. Venha para o hospital acompanhado de um familiar ou pessoa de seu relacionamento. 

Anestesia
A Anestesia vai depender do procedimento que será realizado. Para as cirurgias feitas mais baixo no abdômen, uma peridural é a melhor opção, e é o mais freqüentemente realizado. Para procedimentos que trabalharão os músculos e regiões mais altas do abdômen, pode ser necessária uma anestesia geral. Miniabdominoplastia pode ser realizada com anestesia local e sedação em alguns casos. A Anestesia será decidida depois de decidido o procedimento que será realizado.
Recomendações Pós-operatórias para a Abdominoplastia / Dermolipectomia
1. Seguir rigorosamente as orientações dadas pelo cirurgião, qualquer dúvida deve ser comunicada de imediato;

2. Evite esforços por 14 dias;

3. A alimentação deve ser orientada pelo cirurgião;

4. Evitar sol, friagem e vento por 4 semanas;

5. Comparecer ao consultório para controle pós-operatório, e curativos nos dias indicados;

6. Levantar-se tantas vezes quanto lhe for recomendado por ocasião da alta hospitalar, obedecendo aos períodos de permanência sentada, assim como evitar ao máximo escadas longas. Movimente os pés com frequência em um movimento parecido com o acelerar de um carro;

7. Evitar molhar o curativo até que seja orientada para isso;

8. Andar curvada, com ligeira flexão do tronco, e manter passos curtos, por um período de 14 a 20 dias;

9. Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de esquecer-se que foi operada recentemente. Cuidado! A euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos;

10. Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião, e somente com ele, quaisquer dúvidas;

11. Em caso de pacientes muito obesas, poderá ocorrer, após o 8o. dia, a eliminação de certa quantidade de líquido amarelado ou sanguinolento, por um ou mais pontos de cicatriz. Não se preocupe, porque se isto lhe ocorrer não significa complicação;

12. Salvo em casos especiais, alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas (carnes, leite, ovos) e vitaminas (frutas);

13. Aguarde para fazer sua “dieta ou regime de emagrecimento”, após a liberação médica. A antecipação desta conduta por conta própria, poderá determinar conseqüências difíceis a serem sanadas.

Quando voltar as atividades normais
A recuperação pode ser menor ou maior, dependendo da extensão da cirurgia. Pode variar de semanas a meses.

Os exercícios só podem ser retomados meses após o procedimento. Se foi realizada a correção dos músculos abdominais, este retorno aos exercícios será mais lento. Uma caminhada poderá ser assimilada mais cedo, de qualquer forma, o pós-operatório é individualizado, e a orientação do médico será específica para cada paciente. 

As cicatrizes podem parecer de aspecto mais marcado nos primeiros meses. Depois tendem a recuperar uma cor mais próxima do normal. Enquanto houver uma alteração de cor, o banho de sol não é recomendado. A cicatriz sempre estará presente, mas pode ser disfarçada com diversos artifícios técnicos. 

A cicatriz resultante de uma dermolipecitomia localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume do abdome a ser corrigido. Esta cicatriz é planejada para ficar disfarçada sob as roupas de banho (há casos, mesmo em que a própria “tanga” poderá ser usada), e infalivelmente passará por vários períodos de evolução, que didaticamente dividimos em 3: 

Primeiro Período: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo. 

Segundo Período: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais. 

Terceiro Período: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período. 

ASSOCIAÇÕES

  • Captura de Tela 2017-12-01 às 13.32.07.png
  • Captura de Tela 2017-12-01 às 13.31.48.png
  • Captura de Tela 2017-12-01 às 13.31.43.png